segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Muita Calma Nessa Hora (Restart, Cine, Nx Zero, Luan Santana e Afins)

-

Muita calma nessa hora I

Eu tenho tempo suficiente nesse mundão para saber que tudo é passageiro.

Começo a buscar na memória e a primeira moda de que me lembro foi Charlie Brown Jr. Era a “Onda” do momento, todos começavam a “descobrir” o skate, inclusive eu, e ouvir CBJr em todo canto. E os Roqueiros mais tradicionais odiavam tudo aquilo, pois diziam não haver rock sem cabelos longos e calças apertadas. Os cabelos raspados, as calças largas e camisetas gigantes era uma afronta aos Deuses do Rock dos anos 60, 70 e até mesmo a rebeldia dos anos 80 e começo de 90.

Falando de anos 70, foi quando surgiu a “Onda Colorida” que causa tanta discórdia hoje, porém, hoje sem a nudez, sem as drogas e as ideologias.
Confesso que conheço bem pouco das musicas dessas bandas de hoje, por falta de tempo não posso dizer que “conheço” Restart, Cine, e etc. Com exceção de uma ou duas musicas que ouvi no radio.
Então seria injusto julgá-los por isso, mas o que quero dizer aqui é que acredito que noventa por cento das pessoas que ouço criticar essas bandas tem o mesmo grau de conhecimento que eu.

E todos sabemos que a maiorias das pessoas não fazem muita cerimônia para julgar nada, julgar é tão fácil, tão bom criticar, sabemos que criticar é mais fácil que elogiar, pois elogiar acarreta em compromisso, quando criticamos algo, nos esquivamos, tiramos o corpo fora. Quando julgamos não damos chance para os outros nos julgarem também, por isso é muito mais comum encontrarmos rodas de amigos criticando algo e fazendo piada com os outros, critica é engraçada, elogio é tão monótono.

Penso que hoje com a informação chegando até aos celulares, em qualquer lugar que estamos, na rua, no ônibus, as pessoas não perderam o hábito de criticar sem conhecer, mas como essa mesma informação facilitada nos dá o poder de ouvir e assistir apenas o que queremos, a ditadura do Radio de antigamente que nos obrigava a ouvir o que os programadores, produtores e gravadoras decidiam não existe mais, hoje há rádios online, hoje há aparelhos que nos permite armazenar quantidade de musicas absurdas para que não precisemos ouvir o que nos obrigam, tudo isso deveria acabar com a tendência de “criticar o que eu não gosto”. Aquelas velhas frases dos mais conservadores como, “Traiu o Movimento” ou “Isso não é Rock de verdade” deveriam ser extintas do vocabulário das pessoas com a democracia fonográfica. O livre arbítrio musical.

Pode até ser que quando eu tiver a oportunidade de ouvir todo o trabalho dessas bandas tão criticadas eu também chegue a conclusão de que eu não goste delas, o que não quer dizer que o trabalho feito por eles deva ser desrespeitado ou menos valorizado, digo isso porquê qualquer um que já teve uma banda, grupo ou dupla sabe o quanto dificultoso é para termos nosso trabalho reconhecido, e eles conseguiram, então mérito deles, mas mais do que isso é respeito. Respeitar o gosto musical de outros é o mesmo que respeitar a raça, o credo, o time de futebol, e sexualidade alheia.

Coloridos ou não, todos estão onde estão porque há quem “compre” o trabalho deles, e em época de eleição, onde vimos tantas opiniões diferentes, mas acima de tudo a vontade da maioria sendo executada, como manda a democracia, seria bom usar essa mesma politica em outros aspectos de nosso dia a dia.
Hoje você julga, amanhã o julgado pode ser você. E como diz o antigo ditado, pimenta no dos outros é refresco.

Muita calma nessa hora II

Vejo muita gente dizendo “dar a vida por banda tal” e até dizerem que “surgiu os novos Beatles”. Pera lá, não exageremos também, a melhor forma de conhecer o que é verdadeiramente bom e não só uma moda passageira é o tempo, fazer sucesso é mais fácil que permanecer fazendo sucesso. Saberemos quem tem talento de verdade quando completarem anos e anos de carreira com vários trabalhos de qualidade. O Brasil é cheio de modas, quem não lembra da moda do axé music, do forró universitário, do pagode?! Tudo isso vem rápido e vai embora com a mesma velocidade e só ficam quem é bom realmente. Então vamos aguardar.
 
Bento.
 
-

Um comentário:

Anselmo Marinho disse...

Concordo com vc o que é realmente bom fica, agora é só dar tempo ao tempo.

Comente:

http://bocadainternet.blogspot.com/2011/06/musica-e-seus-generos.html

Um abraço!