sexta-feira, 19 de outubro de 2012

UM CRENTE QUASE ATEU, CÉTICO, AGNÓSTICO, COM ARES DE JOGADOR DE POKER

-


Apesar de usar um terço no pescoço posso contar nos dedos quantas vezes entrei em uma igreja católica, se for tirar os poucos casamentos eu fui em toda a minha vida eu reduzo esse número para quase zero.
Sendo assim pouco tive a oportunidade de estar na presença de uma freira, uma ou duas vezes, que me lembre, andando pela rua em pares indo sei lá para onde, sabe Deus fazendo o quê. Aliás, o que faz uma freira eu sinceramente não sei.

Aquelas coisas de criança como catequese e outras coisas? Nunca participei. Sou um ignorante no assunto. Confesso.
Curioso é que no dia de hoje passou por mim duas freiras. Não sei dizer se eram as mesmas, não reparei tanto assim, de qualquer forma é curioso.

Se você está se perguntando onde eu vou chegar com isso a resposta é simples: em lugar nenhum. É só coisa de quem não tem sobre o que falar, mas é preciso começar o texto de algum lugar, o que vier depois é luxo.

Mas ainda falando sobre freiras, fico pensando o que leva uma mulher a dedicar-se totalmente à Deus ao ponto de abdicar de todo um mundo repleto de pecados deliciosos por cometer.

Porém depois de algum tempo refletindo chego a conclusão, que pode não ser a verdadeira, de verdades cada um que fique com a sua, no máximo deixo que peguem a minha emprestada desde que devolva-me do jeito que encontrou. Vamos para minha reflexão: penso nas mulheres do meu convívio e até aquelas que ouço falar e afirmo que não existe ser no mundo tão capaz de abrir mão de coisas pelo amor. A mulher deixa-se tomar por tal poder de se dedicar por completo. Abre sim, mão de tudo o que gosta apenas pela promessa de ser ainda mais feliz com a vida da qual sempre sonhou. Talvez por isso somente a mulher tenha o dom de dar a vida, de ser mãe. Vejo as mulheres que sofrem com a traição do amor e abrem mão do orgulho para que mantenham a imagem de uma vida amorosa perfeita e assim assegurar o sonho do príncipe encantado que tinham desde a infância.

Já o homem é incapaz de abrir mão de qualquer coisa, exceto se houver sexo no meio da história. Não que o homem ame menos, nós só somos mais teimosos e traiçoeiros. Vejam os padres e seus casos de pedofilia, abrem mão do sexo em nome da fé, mas dão um jeitinho.


Bento.

Dedica-se a Diego Schaun

-

Um comentário:

Lu Rosário disse...

Obrigada ao que nos toca, mulheres. Mas discordo um pouco.. pois não podemoas generalizar, não é?

Um beijo.