sábado, 14 de novembro de 2015

PROCURANDO AS BOLAS NO CHÃO SUJO DE VÔMITO, URINA E SANGUE

-



Imagem de Apollonia Saintclair

Estava lembrando-me de uma vez que cometi meu último furto. Tinha esse cara, não sei bem como o conheci. Talvez fosse um cunhado de meu irmão, mas talvez não. Éramos dois adolescentes magricelas caminhando até outro bairro que na época, era onde as coisas aconteciam.
Estávamos sóbrios e andando e falando, quer dizer, ele falava mais, eu só ouvia. Respondia às vezes com um "uhum", um outro  "sério?", outro "ah tá" e por aí fomos, andando como camelos.
No caminho havia um posto e eu estava com a garganta seca.

- Que tal comprar uma cerveja? Tenho uns trocados aqui. Eu disse.

Ele também tinha uns trocados e entramos na loja de conveniência que foi muito conveniente naquele momento. Afinal eu precisava estar bêbado para andar tanto, ainda mais com ele falando e falando sem parar. Como toda loja de posto existe a atendente feia com cara de bosta que sabe que não nasceu gostosa suficiente para merecer um emprego melhor que não tenha que virar a noite, nesta loja que estávamos não era diferente.
Fomos para as geladeiras e escolhemos nossas cervejas. Ele, uma marca nacional das mais baratas, eu peguei das de garrafa verde, pois se eu iria tomar uma só pelo menos que fosse da melhor. Logo após pegar sua cerveja ele pegou uma daquelas garrafinhas de whisky, meteu uma dentro da calça, depois pegou mais uma e me deu.

- Esta é por conta da casa. Ele disse e sorriu dando uma piscadela com um dos olhos.

 Eu sabia o que aquilo queria dizer e fiquei tenso. Na época eu não tinha dinheiro para quase nada e nunca tive dinheiro para tomar um daqueles, mesmo os de garrafinha. Ele percebeu minha preocupação e tentou me tranquilizar alertando-me sobre a ausência de câmeras e o frentista era apenas um gordo velho, se tivéssemos que correr seria fácil.

- Não sei. Eu disse.

- Você quer ficar bêbado ou não? Ele retrucou e eu dei de ombros.

Fomos até o caixa pagar. Entreguei o dinheiro para a garota feia que pegou a nota de cinco com a cara de quem estava colocando a mão num rato de esgoto. Abri a garrafa de cerveja e tomei um longo gole, não tinha troco. Meu amigo jogou uma nota de 2 surrada e algumas moedas em cima do balcão com a mesma arrogância que a caixa demonstrava. Naquele momento pensei que os dois se mereciam, formavam um belo par. Talvez fosse o destino ou a ordem das coisas. Talvez fosse verdade que atraímos exatamente aquilo que damos ao mundo. Um planeta enorme, com bilhões de pessoas e os dois se encontraram, tão iguais em seus comportamentos. Naquele instante imaginei os dois casados e tendo filhos igualmente arrogantes quanto os dois, e estes filhos gerariam mais filhos e num futuro não muito distante o mundo estaria infestado de arrogantes, achando que somente sua forma de pensar era a certa, que somente seu Deus era o verdadeiro, que somente seu partido político era o honesto e só seus tons de pele e opção sexual eram os corretos e tudo isso aconteceria com a mesma naturalidade com que os insetos morrem e as plantas germinam e as letras de músicas surgem nas cabeças dos poetas durante uma noite de insônia.
Então eu fui despertado de meu devaneio pela voz da garota que decidiu abrir a boca pela primeira vez com sua voz esganiçada logo após contar cada moeda do meu amigo como quem escolhe feijão antes de cozinha-lo, questionando-nos - Quem vai pagar pelas garrafas que vocês colocaram no bolso?

Eu fiz cara de culpado e já estava prestes a devolver o objeto do furto quando meu amigo respondeu.

- Do que você esta falando? As únicas garrafas que pegamos foram estas.

- Eu vou chamar a polícia. Tá achando que eu sou idiota? Ela disse.

E cada vez mais eu tinha certeza que sua voz era igual à de um pato e que a qualquer momento ela botaria um ovo pelo cu, ali durante a nossa conversa, abaixaria e passaria a chocar sua cria e nós fugiríamos sem olhar para trás. Ao invés disso meu amigo tirou um canivete do bolso, pulou sobre o balcão com uma agilidade de quem sabia o que estava fazendo.

- Você não vai chamar ninguém, gata. Ou eu vou cortar sua garganta tão rápido que não vai ter tempo nem de grunhir.

A garota arregalou os olhos e cada vez mais ela parecia um pato. Eu também estava assustando vendo meu amigo com a ponta da faca flexionando a jugular da garota-pato, mas não consegui me conter com aquele comentário, as palavras simplesmente saíram da minha boca como quem bebeu demais e vomita o excesso de álcool. - Grunhir? Por que grunhir? Perguntei.

- Ué, você não acha que ela tem cara de pato? Feia pra caralho.

Agora eu tinha a certeza de que ela realmente parecia um pato e não era só um devaneio meu causado pelo estresse da situação.

- Porra, eu acho, só não sei se patos grunhem. Eu disse.

- Então patos fazem o quê?

- Eu não sei.

- Porra! Então como você sabe que tá errado?

- Cara, sei lá. Não sou professor de português, mas "grunhir" parece coisa de animais maiores. Eu disse.

- Você quer mesmo falar sobre isso agora? Ele disse apontando para a faca com a outra mão e fazendo uma cara que mostrava toda sua indignação.

- Acho melhor a gente sair daqui. Eu disse.

- Não, cara. Agora que a gente ta aqui vamos levar mais algumas coisas. Fique a vontade, eu vou ensinar essa vadia feia se comportar. Ele disse.

- O que você vai fazer, cara? Vamos embora.

- Vou trancar ela lá no banheiro. Ou você quer que ela chame a polícia assim que a gente virar as contas?

De certa forma ele tinha razão. Ele saiu puxando a garota ainda com a faca pressionando seu pescoço longo e fino como o de um pato e ela chorava e suplicava baixinho quase parecendo uma reza. Eu continuei bebendo minha cerveja e me entretive com a televisão que passava alguma novela, acho.

***

Meu amigo não voltava e talvez eu precisasse ir ao banheiro, mais para mijar que pra saber o que ele estava fazendo. A porta estava semiaberta e eu fui logo entrando e fiquei surpreso ao ver a garota ajoelhada na frente do meu amigo que tinha metade da bunda magra e branca à mostra. A garota estava com o canivete apontado para a garganta enquanto era obrigada a chupar o meu amigo e ela ainda chorava, por medo, por ser forçada a fazer aquilo e talvez por ter o pau forçado a entrar em sua garganta.

- Que isso, cara? Vamos sair daqui. Eu disse.

- Essa vadia merece. E tem mais, estou fazendo um favor pra ela. Feia do jeito que é duvido que já tenha chupado um pau na vida. Estou dando uma oportunidade. Ele disse.

- Você tá maluco. Eu to indo embora.

- Não quer um pouco? Ele disse apontando com a faca para a garota e olhando pra mim com cara de quem me convidava para tomar um drink, ou oferecia um chiclete.

Eu tive um pouco de asco da situação e estava prestes a responder quando a garota se aproveitou da desatenção do meu amigo, pegou o canivete de sua mão e cravou a faca bem no meio das pernas, entre o escroto e o anus. Bem debaixo das bolas. Com tanta força que jorrou sangue em seu rosto, que aguardava a porra, invés disso sangue. Nunca tinha visto tanto. Ouvi um grito seco, como uma bolada no saco, só que um milhão de vezes pior. Queria morrer só de ver uma lâmina daquele tamanho entrando em meu escroto. Paralisei ali, na porta, com o pau meio duro pela cena, meio mole pelo sangue. Porque não tinha escolhido ficar em casa com o pouco de vodca que me sobrara? pensei. Não, tonto como era tinha que estar ali. Assistindo bolas partindo ao meio. A garota ficou ereta e apontou o canivete sujo de sangue em minha direção. Não sabia o que fazer, estava paralisado e por algum motivo me vinha alguma música do Rob Zombie na mente, talvez por causa do sangue. Meu amigo estava ali, deitado em pose fetal, segurando as bolas entre os dedos, choramingando como uma criança, e ela, a garota feia do caixa, como uma Carie, A Estranha, com o rosto esporrado de sangue, apontava a faca pra mim com a intenção de cortar mais algumas bolas e eu evitando perdê-las naquela noite.

Disse que não concordava com aquilo.

- Lembre que eu paguei a conta. Por mim eu estaria em casa nesta hora.

- Eu vou chamar a polícia. Ela limitou-se a dizer já choramingando.

- To indo embora. Eu disse. E ela desabou a chorar.

- Tchau. Eu disse.

Virei as costas e parti. Voltei e peguei mais uma Heineken, já estava na merda mesmo. Abri e dei um longo gole. O frentista gordo olhava fixamente para o celular, provavelmente vendo algum vídeo pornô com garotas que ele jamais conseguiria transar na vida. Peguei o caminho de casa, acendi um cigarro e fiquei pensando em meu amigo sem as bolas. A polícia chegando junto com o SAMU, os enfermeiros com suas luvas de látex procurando as bolas no chão sujo de vômito, urina e sangue. Lembrei do meu amigo forçando a entrada de seu pau na garganta da garota feia de doer e das lágrimas saindo de seus olhos esbugalhados, seu rosto vermelho e a expressão de sacrifício e o líquido alaranjado saindo pelo canto da boca, provavelmente consequência dos Doritos que pegava escondido na hora do jantar. E eu que sempre gostei de Doritos, talvez demorasse um pouco para voltar a comer. Mais um gole de cerveja, um trago do cigarro, finalmente lembrei que tinha luta na TV. Apertei o passo para chegar antes do card principal. Coloquei a mão no bolso e percebi que a garrafa do whisky caríssimo ainda estava ali e não me lembrei de devolver. Pensando bem, meu amigo eu não sei, já eu tive noites muito piores.





Bento.

-

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

A PRIMEIRA CANECA DE CAFÉ DEPOIS DO CIGARRO NA GARGANTA QUASE VIRGEM DE UMA NOITE MAL DORMIDA

-

Eu sempre disse que tenho uma queda por enforcamentos. Não por mim, claro que não. Nem quero dizer que sinto vontade de me enforcar. Passei a vida inteira "enforcado" e acho que já foi o bastante. De qualquer forma, sempre senti um pouco de euforia ao tomar conhecimento de alguém que se enforcou. É só uma coisa minha, nada demais. Perdoe-me aqueles que tiveram pessoas próximas enforcadas - ou não perdoe - que se foda. A verdade é que respeito toda forma de desistência. Tiros na têmpora, saltos de prédios e em frente a trens, ingestão de veneno, inalação de gases e etc. Acho o ato de DESISTIR muito corajoso, nem todos conseguem. Não acho covarde aquele que desiste, acho burro aquele que continua insistindo em algo que não vai dar certo. Acredito que as coisas podem dar certo assim como podem dar errado, sendo assim todos temos a opção de continuar ou não e assim como todas as opiniões, esta também é individual. E vamos combinar que a vida é uma merda e que nem todos temos estômago para aguentar certos caprichos do destino, muito menos arcar com todas as nossas medíocres ações.

Sendo assim, nada mais que justo dar espaço para outra alma mais assertiva, que por ventura, possa vir acampar por esse mundo. Contudo, a vida não se resume só em mazelas, há também aqueles pequenos momentos onde nos sentimos o pica grossa no universo, por exemplo, quando temos duas cabeças entre nossas pernas brigando por um pedaço de nosso pau. Você nunca soube o que isso? Bom, se nunca, neta miserável vida, pôde ter um momento como este, ainda lhe sobra o caminho da Escada e a Corda, como diz Matanza.

Falando ainda sobre aquelas pequenas coisas que trazem felicidade. Aqueles pequenos momentos que enxergamos mais que os olhos humanos enxergam. Ao acordar no fim de semana de folga e perceber que o sol está castigando a cabeça das pessoas e ao colocar a cara para fora, logo você sente os pelos eriçados devido os raios solares queimando de leve sua pele, parecendo ganhar mais potência, fruto do álcool que transpira de seus poros quase a ponto de entrar em combustão. A felicidade que propicia a primeira caneca de café depois do cigarro na garganta quase virgem de uma noite mal dormida. A segunda caneca de café. E depois disso, poder abrir a geladeira e encontrar uma garrafa geladinha, transpirando, deixando as pontas dos dedos dormentes de tão gelada. Seguido de um Tissssss que dá água a boca. E o primeiro gole, que faz formigar todo o interior e o céu da boca, quase dormentes, a língua e a parede da bochecha. Isso é para poucos. O sabor, a dormência, quase que de pau duro você agradece a semana inteira de sacrifício e sacrilégios para poder ter estes pequenos momentos de felicidade puro e simplesmente magníficos. É preciso muita consciência e inteligência para saborear momentos como estes. Um gole, depois outro e outro e só parar para acender outro cigarro. E sair no sol de novo e a pele estranhar novamente a luz. E perceber que os cachorros também aproveitam o calor, deitados com a barriga pra cima sob a luz solar, como quem faz fotossíntese, afinal, somos todos adubos. Todos nós, não passamos de relés adubos para a terra. Sendo assim eu poderia muito bem ficar aqui em minha cadeira de praia, curtindo o meu sábado, olhando os bichos curtirem o sol e só me levantar para pegar outra cerveja e mijar, que é inevitável. Contudo tenho uma garota nua em minha cama que precisa ser alimentada. Precisa de energia para que possamos aproveitar o fim de semana e terminar de desidratar-me. E também a ela. Então volto à penumbra do quarto para vê-la nua, com o lençol caprichosamente cobrindo-lhe apenas metade da bunda. E que BUNDA. Outro gole na cerveja e a metade da bunda e as pernas de fora e o lençol, pensando; são sempre as pequenas coisas que me agradam, não há definição melhor.

Melhor que isso, só o caminho até o mercado, indo buscar mantimentos para o almoço, tomando minha cerveja debaixo de um sol de dezoito infernos e meio, sentindo o cheiro de liquido vaginal em meu volumoso bigode depois de chupá-la semi acordada, pois não resisti àquela visão de bunda e pernas sobrando abaixo do meu lençol.

Mas mesmo um cheiro no bigode tem de ser interpretado. Eu interpreto de um jeito. Na fila do mercado, feliz, com uma caixa de cerveja na mão e o cheiro de boceta no bigode eu me sinto feliz como quem há muito não sente. E penso nas outras pessoas na fila e mesmo aqueles que carregam suas caixas de cervejas, será que sentiam o mesmo aroma que eu? E se sentiam, será que sabiam interpretar tamanho significado e prazer que ali continha? E você que está lendo agora, será que consegue?
Não adianta querermos nos comunicar quando o ouvinte não se interessa pelo conteúdo da mensagem. É preciso parar para ouvir. Duas pessoas conversando não necessariamente quer dizer que estão se comunicando. Por vezes são apenas palavras soltas como numa sopa de letrinhas, como num teste de ditado. Começar o fim de semana com uma caixa de cerveja e o tal cheiro no bigode é sair ganhando de goleada. Dito isso, espero ter sido compreendido.

Pois bem, eis que volto pra casa com a sacola cheia de mantimentos suficientes para o preparo de um bom Chilli de fazer a língua queimar. Mais um motivo para encharca-la de cerveja e tudo corre muito bem, obrigado. Só que um ranzinza como eu não pode levar a vida como se fosse um mar de rosas. Não eu.
Consigo me desprender dos problemas quando estou com um Bourbon de qualidade no beiço e meus cigarros a tiracolo enquanto ouço Howlin Wolf no rádio, mas sei que eles estão lá guardados, só esperando para chegar segunda-feira e voltarem a me atazanar. Mas e quando esses problemas não são suficientes? E quando eu, acostumado ao limbo, à sarjeta, começo a pensar que a maré esta tranquila demais e preciso de uma tempestade para me ferir e fazer pensar? Entendam; sempre fui de viver à flor da pele. Não seria natural se eu simplesmente sentasse em minha cadeira de balanço e começasse a planejar crianças, que por sinal eu as odeio. Logo, vai eu enxergar defeitos e situações que me deixam estressado e dignas de lamúria, pois tenho que reclamar.
Sendo assim o ranger da cadeira de balanço me incomodava. O sol baixou e com o cair da noite veio o frio e não demorou pra que eu começasse a praguejar. O Chilli não estava apimentado suficiente, a cerveja ficou choca, o filme que íamos assistir me deu tédio. O cabelo da minha garota não estava bom, seu micro pijama não me excitava suficiente e assim veio mais praguejo. Praguejo atrás de praguejo. Afinal, já disse, sou um ranzinza acostumado com o cheiro de merda nas narinas e sempre fui adepto da teoria de que não se pode elogiar muito a sorte senão ela acha que está bom e o abandona.



Bento

-

terça-feira, 22 de setembro de 2015

SÓ QUE SOMOS SÓ UM AMONTOADO DE CARNE, BANHA, PUS E TRIPAS

-

É curioso como podemos fazer coisas repetidamente, todos os dias, mecanicamente e nunca nos darmos conta. Como um aparelho doméstico, funcionando e funcionando e é só. Dias atrás eu me vi no meio do caminho para o trabalho e sequer me dei conta de como fui parar ali. Simplesmente parei e pensei; mas como foi que vim parar aqui? Olhei-me e estava vestido, com as chaves, cigarros e celular no bolso, tudo em ordem. Cabelo penteado, passei a língua nos dentes e estavam escovados, mas eu não me lembrava de ter feito nada disso. Digo, lembro-me de acordar e acender um cigarro e depois disso PUFF! Qualquer memória foi pro saco, como se eu estivesse ficado bêbado e aparecido ali, acordado do porre ali. Só que era de manhã e eu estava indo trabalhar. Tudo daquele momento para trás se perdeu. Não lembrava dos cigarros que fumei, nem das canecas de café que tomei. Não lembrei de ter cagado, de tomar banho, de pegar o ônibus ou o metrô, de nada. Estava ali automaticamente, fiz o caminho inconsciente porque eu faço todos os dias. Não lembro da cara de cu do cobrador, não lembro dos velhos que fazem questão de acordar cedo e encher o transporte coletivo. Não lembro dos gordos que ocupam o dobro de espaço num transporte que já não cabe mais ninguém. Não lembro se li meu livro, se usei o banheiro da estação. NADA. Só lembro de estar ali, no meio do caminho para o trabalho como faço todos os dias. Um lapso? Seria loucura? Finalmente minha mente estava pedindo, ou clamando, por uma aposentadoria? Então meu corpo vagaria por aí sem mim ou sem minha mente, ou eu seria apenas um passageiro de meu corpo, sentindo, vendo, cheirando, porém sem controle nenhum sobre qualquer músculo. Com consciência, mas sem autonomia. Espectador da minha própria vida. O interessante é que meu corpo, em carreira solo, possivelmente teria mais sucesso que eu (quem não teria?). Talvez eu esteja com dislexia. Talvez eu esteja morto sem me dar conta, mas as contas continuam chegando, então estou vivo, pois os cobradores são os primeiros, a saber, das nossas vidas ou mortes. Reparei que quando me dei conta do meu lapso eu estava andando rápido, quase correndo, mas por quê? Bem, estou sempre atrasado e também estava naquele dia, mas se sempre estou atrasado então qual a diferença? Correr por quê? Aliás, esta é uma pergunta que eu vivo me fazendo e eu não consigo responder nunca.

O Tédio. O Tédio e as outras coisas. Por quê? Pra quê? Acordar por quê? Levantar pra quê?
Por que comer se daqui a pouco estarei com fome novamente? Por que tomar banho? Por que tenho que sair de casa? Por que levantar da minha cama? Trabalho todos os dias, de segunda à sexta, o mês inteiro, pago as contas e começo tudo de novo, por quê? Pelo final de semana? Trabalho exclusivamente pelo final de semana. É nisso que minha vida se resume? Trabalho e final de semana. Uma semana toda de martírio para poder passar o final de semana todo na minha cama esvaziando garrafas. Pra quê? Por quê?

As pessoas são decepcionantes, a vida é decepcionante. Talvez você ainda não tenha passado por situações ruins suficientes para perceber que nenhum de nós vale o esforço de um pequeno músculo sequer. O curioso é que todos nós nos superestimamos. Sempre achamos que somos um pedaço de carne selecionado por Deus. Inventamos que existe alma apenas para nos sentirmos importantes, só que somos só um amontoado de carne, banha, pus, tripas, tudo isso misturado com altas doses de egocentrismo. Todo homem acha que seu pinto é maior e melhor que os dos outros. Toda mulher acha que trepa melhor que todas as outras. Tem caras que gastam o que não tem para comprar carros enormes e caros para se sentirem mais e melhor. Mulheres que colocam silicone e passam horas no salão de beleza tentando ser a droga de uma boneca inflável ambulante. E aí você pensa; o cara se resume a dois braços musculosos. Tudo bem se você preferir um pedreiro em tempo integral, tudo é uma questão de gosto. Tudo bem se você prefere comer uma garota com os glúteos tão rijos quanto seu pau. Tudo é uma questão de gosto. Mas é exatamente aí que você começa a perceber que a vida já não representa grande avanço e que as pessoas não estão demonstrando seu melhor. É uma mecânica que eu particularmente não aprovo, se é que aprovo qualquer coisa mecânica.

Enquanto isso vou escrevendo no ritmo que a inspiração mandar. Esperando a falência do mundo como espero do fígado. Vivo a vida em meia dúzia de latas de cerveja por vez. Exercitando a arte de menosprezar a humanidade e lamentar por estar certo. Vejo pernas e bundas e peitos passeando pelas calçadas. Pedaços de carne, por vezes suculentas, mas na maioria não passa de banha crua e molenga. Poucos cérebros, pouca consciência, nenhuma aptidão para tomar as rédeas de suas próprias vidas. Transeuntes vegetativos. Zumbis babando e escarrando e cagando. Não mais que isso. Um exército, se prestar bem atenção, não passa de uma massa de gente, um exército de seres repetindo gestos, imitando falas, frases e comportamento. São coadjuvantes da vida real, não se fazem notar.

Conversando com um amigo uma vez, ele me contava sobre uma transa que teve com uma garota. Ela despiu-se e deitou na cama de pernas abertas. Este meu amigo olhou a garota branca como um palmito e seu corpo não era tão diferente. Nada de peitos, o pouco de bunda que tinha a posição que ela escolhera não favorecia. O maior volume de carne que tinha em seu corpo estava na região do abdômen e o que foi bem pior, quando pensou em levantar suas pernas para ensaiar um frango assado pode reparar em restos de papel higiênico picados como quem limpou a bunda depois de cagar com uma marca de papel da bem vagabunda. Bêbado como estava na hora, ele pensou; já que estou aqui...
Bem, meteu-se dentro de uma camisinha e como um cientista maluco com sua veste protetora entrou de cabeça naquele mundo subterrâneo. Fico eu aqui pensando com meus botões; ainda não inventaram camisinha ou nada parecido que protege contra a humanidade, além da solidão.



Bento.

_

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

COM ESSA GAROTA NUA ADORMECIDA EM MINHA CAMA ENQUANTO EU BEBO MEU WHISKY

-

Na maior parte do tempo observo o quão deprimente as coisas corriqueiras podem ser. Os elogios sem motivo, as amenidades, o convívio com as outras pessoas. Vizinhos, colegas de trabalho, família e etc. É tudo um grande teatro mal ensaiado de péssimos atores e é só isso. Relações de uma fragilidade como ossos de galinha. Todos mantendo a pose da coxa de galinha assada até que se quebra e pronto. Viram inimigos. Esses são nossos relacionamentos mais comuns. Não quero que pensem que sou grande coisa porque não sou. Não sou, pois não consigo fingir. Não sei acordar de manhã comemorando mais um dia de vida medíocre, esperando que as coisas melhorem e desejando paz na Terra. Invejo essas pessoas, de verdade. Não acho isso uma coisa boa, de forma nenhuma, mas vamos combinar que a ignorância traz sim felicidade. Não tanto quanto o dinheiro, mas quem não tem cão caça com gato. Digo isso para deixar claro que não sou grande coisa. Não vou me fazer de vítima, porém sinto sinceramente que não passo de um amontoado de palavras que já foram boas e nada mais. Além, claro, de ser um beberrão convicto, que precisa de uma boa dose de algo alcoólico e forte para poder levantar da cama e enfrentar o dia. Um sedentário bosta que evita fazer qualquer coisa esperando que a inspiração venha no intuito de escrever qualquer bobagem que me faça sentir algum prazer por respirar.

Houve um tempo que eu fui a maior promessa da literatura de minha geração. Hoje não passo de um ex-futuro-escritor. Tento escrever qualquer coisa e não saio da primeira linha, e quando faço acho tudo uma porcaria. Talvez, de tanto escrever fracassos tornei-me minha musa. Dou voltas e não saio do lugar. Cinco anos escrevendo, até que fui longe. Mais longe que esperavam, já eu esperava mais. Sou um escritor de livro nenhum. Tenho um romance inacabado, outro que nem comecei a escrever e outro livro de contos que nunca concluo. Como tudo na vida não concluo porra nenhuma. Dou voltas no mesmo lugar como um peão de madeira de quando era criança. Um fracassado. Hoje não sou metade do filósofo que já fui e em minha melhor fase não fui um décimo do poeta que poderia ser. Talvez por preguiça, omissão, ou por perder tempo transando com todas as garotas que cruzaram meu caminho. Preciso comprar um carro, um computador novo, e uma televisão nova... E a maior emoção que tenho ultimamente é acordar de pau duro devido a bexiga pressionar a próstata.

Vejo as pessoas estudando cada dia mais e me pergunto; para quê? Não estou exigindo resposta, eu já as tenho. Cada dia mais e mais informação é despejada por todos os veículos de comunicação e hoje todos são comunicadores empenhados e continuo sem entender. Na prática, não se usa. Os jovens chegarão somente ao ápice de sua ignorância. Os velhos regridem para acompanhar os jovens na sua imbecilidade, pois é mais fácil render-se a ela que superá-la.

Então, estou finalmente de férias, e sendo assim, tenho por vinte dias a vida que gostaria de ter até o fim de meus dias. Não faltam cervejas e cigarros, todos devidamente organizados ao alcance das mãos e para que não falte numa madrugada qualquer. Gosto tanto de cervejas que poderia economizar um bom dinheiro vendendo as latas como os carroceiros fazem, mas sou orgulhoso demais para pensar nisso, e trabalho demais para ter de economizar com latinhas recicladas. Pensei nisso outro dia e por capricho comprei garrafas. Nesses dias mudei a marca da cerveja. Mudei, pois é bom mudar em alguns momentos. Há muita resistência na mudança em qualquer pessoa. Apesar de ouvirmos por aí que as pessoas odeiam rotina, toda mudança assusta como o uivo do vento na janela numa noite solitária.
Por falar em mudanças, passei meus 30 dias de carma anual sem maiores problemas. Terminei os últimos cinco numa viagem confortável e aconchegante. Estava a garota do Bourbon e eu num quarto antigo sem televisão, com moveis barulhentos e digo que poucas coisas são tão belas quanto ver uma garota de lingerie passeando pelo cômodo fazendo suas coisas de garotas. Sequer a imagem do mar em seu vai-e-vem de ondas e seu ronco contínuo é tão belo quanto ver uma garota em sua rotina diária de cremes e esmaltes e elásticos de cabelo e camiseta surrada passeando em frente aos meus olhos ajeitando a calcinha, penteando os cílios, e essas coisas de garotas. Eu poderia ter viajado, comprado minhas cervejas, fumado meus cigarros e sequer ter colocado meus pés na areia e sentido a brisa fria do mar e o sol escaldante queimando minha pele, pois poucas coisas são tão belas quanto acompanhar o vai-e-vem da garota do Bourbon só de lingerie, com suas dobras, suas curvas, indo para lá e para cá, dobrando coisas, arrumando outras coisas em seus lugares como quem rege uma orquestra, como dona do mundo e do tempo. Passaria horas bebendo e fumando e vendo o desfile desta garota fazendo exatamente nada, apenas exalando sua feminilidade e destilando seu perfume de cremes, desodorantes e perfumes e mais cremes e é tão delicioso que eu poderia comê-la, literalmente, comê-la. Mordê-la e mastiga-la e engoli-la. Fatia-la e engoli-la, tamanha delicadeza de seus passos, seus dedos ao tocar o chão gelado, quase como um gato, quase sem tocar o chão. A rotina de vê-la ali passando de lá pra cá sabe-se lá fazendo o que preenchendo o ambiente dela. Só dela. Todo o ambiente, todo o quarto, era só ela. Eu não passava de mais um móvel usado e barulhento. A diferença é que eu fumava, arrotava, peidava, bebia e às vezes transava. Digo às vezes, pois percebi que a idade chega pra todo mundo e ter de acompanhar a libido de uma garota de 21 anos não é tão mais fácil na minha idade, mas eu ainda não fico devendo muita coisa.

Contudo, eu pensava assim até brigarmos. Afinal, para me ver brigando com alguém basta deixar-me num quarto com qualquer ser humano durante uma semana e sim, eu, inevitavelmente acharei motivos para brigar com esta pessoa. Amigo ou inimigo. Não importa. Qualquer pessoa que fique tanto tempo próximo de mim me causará problema. Bem, briguei. Arrumei motivos para discutir e assim fiz. Caso contrário não seria eu. Depois que fiz passamos a noite sem nos falar e dormimos sem nos tocar. Até o dia seguinte, ela amolecer meu coração com o cheiro de café fresco, pois mesmo brava ainda assim levantou-se mais cedo para preparar o café preto, só pra mim, por saber que meu humor é muito pior sem o café preto de manhã. Uma santa esta garota. Pois bem. Mesmo um velho ranzinza como eu não poderia ficar imune a este carinho. Mesmo assim, me fiz de difícil na primeira hora após fumar o primeiro cigarro, após levantar-me, tomar meu banho matinal, e ainda assim mantinha-me de cara fechada, que era para ver que eu ainda estava bravo, só que não estava. Eu já tinha sido conquistado pelo café. Mas homem tem destas coisas. De marcar território, como cachorro de rua eu estava marcando o território. No sentido figurado eu erguia minha perna para mijar na dela. Como somos pobres de espírito, nós homens.

Preparávamos para irmos à praia quando ela consciente de suas ações ou não, já indecentemente penetrada naquele biquíni, pediu sabedora ou não, para que eu passasse protetor nas suas costas. A partir daí, velho, ranzinza, macho alfa, tornei-me escravo de minha libido e fizemos o melhor sexo de conciliação da história. Com tapas e unhadas a ponto de descontarmos toda a raiva adquirida na noite anterior. E digo; o melhor sexo de conciliação da história, de todos os tempos. Afinal, algumas coisas, feitas com raiva, nem sempre causam arrependimento.


Agora estou aqui. Escrevendo, nem tão fracassado assim. Com essa jovem garota nua adormecida em minha cama, enquanto eu bebo meu whisky, fumo meu cigarro e escrevo escondido no banheiro para não acorda-la.


Bento.

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

SOU O JESUS CRISTO DO RUM [A BARBA]

-

Então eu estava muito nervoso. Era noite. Daqueles dias cansativos que você demora mais pra voltar pra casa que o período todo de trabalho. E o relógio te informa que em algumas horas você já precisará estar de pé e acordado novamente para ir trabalhar. Só que você não quer dormir. Você quer aproveitar a noite. Olha pela janela e vê a lua que te convida a beber e se divertir. Mas isso é só para quem tem direito. Nós trabalhadores não podemos. Nós, telefonistas, pedreiros, balconistas, eletricistas, encanadores, professores, vendedores, motoristas, lavadores de carros, limpadores de vidraças, atendentes, expositores, estoquistas, dentre todas as outras coisas, nós não temos este direito. Nós apenas dormimos e acordamos e trabalhamos, pois o mundo precisa de nós. O mercado e a economia precisam de nós. Inclusive aqueles que têm o direito de beber numa noite dessas, no meio da semana, eles também precisam de nós. E eu estava lá, em frente ao espelho, vendo meus olhos cansados de acordar quase sem dormir, querendo sair e me divertir sem poder. Mas confesso que antes de chegar em casa passei no boteco e pedi duas doses. Da forte. Por este motivo, talvez, eu quisesse trocar a janta pelo gargalo de uma boa cerveja gelada. Eu disse uma?

Um calor de sentir-se sujo. Duas doses no estômago depois de um dia cansativo e já me sinto poderoso. Quase como quando ouço The Doors no último volume. Olho no espelho e sou só sobrancelhas e bigode e barba. O cabelo já passa da hora de cortar e sinto calor. Lembro-me que escondido na cômoda, para as horas de emergência, tenho um meio litro de rum pela metade. Já ajuda em alguma coisa. Para fazer durar mais adiciono em cada dose dois dedos d'água. De meio faço quase um inteiro. É o milagre da multiplicação. "Sou o Jesus Cristo do rum", eu grito sem me importar com os vizinhos. Um pirata com a barba ruiva tomando rum como quem bebe água. Mais uma dose e agora fico nu para suportar o calor, mas ainda não é suficiente. Meu rosto não faz questão de esconder as marcas do tempo e dos incontáveis porres. Das noites sem dormir. Dos desamores. Há muito que contar em cada ruga, cada cravo, cada pelo de barba. E a barba? Enorme, com pelos eriçados, rebeldes, precisando aparar, mas que tempo tenho? Quando minhas horas de descanso reservam-se para dormir e beber e escrever. Algo me incomoda e a barba pode ser quem vai pagar o pato. Então entre o cigarro aceso e mais uma dose de rum eu acho a tesoura e começo a cortar a barba. A cada chumaço de barba largada no lavatório é um pouco de sofrimento que vai pelo ralo. Leva tempo para manter uma barba deste tamanho. Porém, não mais tempo que economizei quando optei por não perder tempo fazendo a barba.

A verdade é que de lua, como sou, por vezes preciso de uma grande mudança em minha rotina para sentir-me vivo. Vivo e ativo. Vivo e útil. E ainda tem a garota do Bourbon que permanece preenchendo meus finais de semana. Uma linda esta garota. De uma paciência ímpar. Também pudera, para me aturar, somente tendo uma paciência de monge tibetano, mas ao invés disso, ela é descendente de nordestinos mesmo, talvez seja isso. Além de paciente ela é quase tão preguiçosa quanto eu, logo, não se importa de ficar deitada tomando cerveja, falando sobre qualquer coisa e transando.

Não existe muito mais o que se possa querer numa garota quando esta não reclama de seus cigarros, sua vontade incontrolável de algo alcoólico e seu vício em sexo, dito isso, por vezes eu abro mão de meu casulo para levá-la em lugares que queira ir, afinal, quando se está com uma garota como ela é preciso abrir mão de algumas coisas para mantê-la por perto. É uma via de duas mãos. Não se pode viver sem abrir mão de coisas. Abri-se mão da cerveja importada de trigo para poder investir em quantidade de cervejas nacionais e assim poder comprar garrafas que vão te deixar suficientemente bêbado. Abre-se mão, por vezes, da garrafa de Bourbon importado para poder tomar um bom café da manhã a cada três dias de ressacas consecutivas. Abre-se mão de comer em restaurantes boca-de-porco, que servem comida como quem serve para um batalhão, com quase um porco inteiro frito em seu prato clamando para ser saboreado com as mãos para poder impressionar uma garota num restaurante que serve comida como se fosse alpiste, com pratos decorados como aquela tia perua. Vivemos abrindo mão de coisas esperando conseguir outras, porque ainda somos daqueles que têm que escolher entre dormir ou aceitar o convite da lua que nos chama para beber e ficar bêbado e vomitar metade do que bebemos para poder beber mais e não lembrar do que fizemos na noite passada. Nós ainda somos os telefonistas, pedreiros, balconistas, eletricistas, encanadores, professores, vendedores, motoristas, lavadores de carros, limpadores de vidraças, atendentes, expositores, estoquistas, faxineiros, porteiros, zeladores, carteiros, ajudantes, auxiliares... E continuaremos até que a morte nos convide para dançar.



Bento.

-

terça-feira, 14 de julho de 2015

AINDA HOJE NÃO SEI O QUE É SER CHUPADO POR UMA BANGUELA

-

Uma vez estava eu saindo de um motel afastado, quase de improviso, com uma das garotas mais safadas que eu já conheci. Íamos do motel para o metrô e lá cada um de nós tomaria um curso diferente. Eram duas quadras e eu andava como um coxo, tamanha a dor no saco, pois eu transara com toda a força que tinha e ela queria mais e mais forte. Nem o homem mais forte do mundo poderia saciá-la. Eu pelo menos tentei. Mas foi a dor no saco mais deliciosa que eu me lembro.

Uma outra vez, estava em casa, numa daquelas festas que eu costumo fazer sem motivo e sem data para acabar. As pessoas apenas vão chegando e trazendo bebidas e trazendo mais gente que também vão trazendo mais bebidas e bem, parece nunca ter fim. Até que alguém gorfe, e outro alguém apague, uma garota ou duas urine nas calças, e em cada canto da casa tenha alguém transando ou tentando transar. Calhou que neste dia me sobrou o banheiro do meu quarto e era a terceira vez que eu entrava ali com uma garota diferente. Pela janela do banheiro ouvíamos a conversa sem sentido de bêbados falando sobre nada e gargalhadas insanas. Ela ajoelhada e eu resolvi que era um bom momento para umas palmadas em seu rosto. Primeiro um tapa, depois dois e vocês sabem como isso funciona. Ela nem parecia que gostava nem que não, mas de repente decidiu revidar e seus braços eram mais fortes que os meus. De supetão levei um tapa no rosto de baixo pra cima que quase me deixou sóbrio de novo, porém estava bêbado e o tapa fora tão forte que pendi para trás como quem estava prestes a cair. Então a garota dos braços mais fortes que os meus agarrou meu pau e me puxou junto dela impedindo minha queda. Poucas vezes me vi surpreso, mas nada supera o tapa, a quase queda e ser laçado por meu próprio pau. Rimos disso e ela continuou a fazer o que estava fazendo. Decidimos parar com os tapas por hora.

O que quero dizer com isso é que são sempre as pequenas coisas que me marcam. A minha memória que quase funciona raramente deixa passar esses pequenos momentos de que somos escolhidos pelo Destino para aprontar de bom humor. Não há muito que se esperar das pessoas nesta bagunça que chamamos de vida. Não há muito que esperar nem de nós mesmos, mas esses momentos simplórios fazem com que acordar cedo e sentir o azedo do suor que exala por debaixo da camisa do filho da puta que não tem coragem de tomar um banho antes de dividir o mesmo metro quadrado que você no ônibus lotado faça um pouco mais de sentido. Porém não muito.
Só que a vida é bem mais flagelos que momentos intrigantes como estes, logo, não vou negar que por vezes me passa pela cabeça morrer. Não morrer para sempre, não é isso. É morrer uns três ou quatro dias só. Assim, sem mais nem menos. Apenas morrer e não ter ninguém enchendo meu saco, sem cobradores ou Testemunhas de Jeová em minha porta. Sem carros do ovo, da cândida, ou do churros. Sem panfleteiros de pizzarias. Sem ter de me preocupar com cigarros e sem guarda noturno. Só morrer, pura e simplesmente morrer. Descansar a mente, o corpo, esquecer das coisas. Já reparou que passamos mais tempo tentando esquecer que lembrar? Isso pode ser um sinal. Um sinal de que a coisa está de mal a pior.

Estava lembrando desses casos assim, por acaso. Entre uma dose de Borboun e outra, analisava o conceito que tinha das mulheres e o conceito que as mulheres tinham sobre mim. Dizem que os amigos sempre lhe dizem a verdade, eu nunca acreditei nisso, porém tenho uma conhecida que já tomou porres homéricos comigo, que jura de pé junto que sou a pior pessoa do universo, aliás, não duvido que ela goste da minha companhia só por isso. É mais fácil de conviver com alguém que está mais fodido que você, não há pressão para melhorar. Em seus ápices de embriaguez chegou a me comparar com o próprio Diabo, mas acho que ela me superestima.

Então penso nas garotas das quais cometeram o erro de cruzar meu caminho. Todas elas santas, faço questão de frisar. O que pensam de mim? Não que seja importante a ponto de mudar a minha opinião, contudo pode ajudar a entender o porquê não permaneceram e qual a minha responsabilidade nisso tudo.

O fato é que algumas garotas gostam do que eu escrevo, no entanto não gostam tanto quando me conhecem e provam o que leem na vida real. Justo.

Lembro-me de uma garota, de olhos verdes como uvas verdes. Não se adaptou a liberdade que eu dava a ela. Talvez quisesse alguém ciumento, que quisesse saber onde ela estava a cada passo, que a proibisse de ter amizades masculinas e controlasse todas as suas ações e bem sei que apesar de reclamarem, existem muitas garotas que gostam desde tipo de cara machão. Eu poderia ser este cara? Claro que poderia, mas eu não poderia ser este cara e ainda por cima ser exatamente a pessoa que eu digo ser. Então começaria uma relação traindo, não ela, mas a mim mesmo. Não digo que hoje ela me odeia, porém acredita piamente que eu não quisesse nada com ela. Eu queria, só que gosto de analisar as coisas e as pessoas e isso leva algum tempo.

Penso na idosa de 500 anos. Meu único arrependimento quanto a esta garota de 20 anos é que, idosa que era, ainda possuía todos os dentes. Ainda hoje não sei o que é ser chupado por uma banguela, mas nunca é tarde. Esta, talvez me odeie, mas tenho sérias dúvidas. O que acontece é que ela se convenceu de que eu sou o pior do mundo, mas não consegue esquecer os bons momentos, logo, sempre quer reviver os bons momentos de outrora. Só que todos sabemos que há coisas que nunca se repetem.

Outro dia recebi uma ligação de uma garota casada. Em outros tempo traía seu marido comigo, mas isso faz muito tempo. Teve um filho recentemente e depois de tanto tempo de fidelidade forçada queria voltar a traí-lo. Esta não me odeia, tenho certeza. Poderia dizer que até me ama, do jeito dela, mas talvez seja amor. Contudo, não mais do que ama o marido. Melhor pra mim, pior pra ela.

Tive uma relação conturbada com uma garota de pernas finas uma vez. Digo conturbada, pois nunca estávamos disponíveis ao mesmo tempo. Quando ela quis eu estava ocupado me diminuindo, e quando eu estava disponível ela estava ocupada com outros relacionamentos. De qualquer forma, por mais que em algumas vezes quisesse me odiar ela não conseguia. Não conseguia, pois para odiar é preciso dar importância, nutrir qualquer sentimento para depois querer o mal. Mas a única coisa que a garota de pernas finas sentia era vaidade. Gostava do drama que eu fazia, e eu sou bom com dramas. Fazia bem ao seu ego estar entre as linhas dos meus textos e esperava ansiosa para ler sobre si. Sentia-se musa de seu autor predileto. E ela era. E eu era. Hoje não mais, nem pra mim, nem pra ela. Hoje ela lê outras coisas, eu escrevo sobre outras e assim a vida segue. Mas definitivamente não me odeia.

Já Nelia, talvez seja a única que nutre algum ódio e rancor por mim. Odeia porque me amou. Odeia, pois não pude ser o homem que ela queria que eu fosse. Odeia-me porque eu era só um garoto. Odeia porque eu não podia fazer malabarismo em faróis, porque não podia dormir em redes, porque não podia desvendar o mundo. Também pudera, sequer conseguia me desvendar. Meus segredos e sonhos, o que eram? Meus amigos e familiares, quem eram? Odeia então, porque eu não era capaz de acompanhá-la em sua jornada para desvendar seus traumas. E ainda pensando nisso, vejo que não tenho nada em comum com essas garotas nem com seus ideais e suas fantasias. Algumas delas queriam apenas um escritor falido para se sentirem o centro de algo importante, contudo, eu nem sou tão escritor assim e nem tão falido assim. E mesmo não sendo, vivendo a realidade da minha escrita, perceberam que não é tão fácil estar ao lado de um beberrão teimoso que precisa de sexo como um alcoólatra precisa de álcool e eu preciso tanto de ambos.



Bento.

-

segunda-feira, 6 de julho de 2015

CAFÉ ESTOCOLMO - OUVIDOS DE ALGUÉM TÃO MAIS FODIDO QUE VOCÊ

-

Então por esses dias, de um frio de encolher o pinto que fica difícil até de mijar, não saía de casa sem um bom Café Estocolmo. Se não sabem o que é um Café Estocolmo vou dizer; é quase um Café Irlandês - café e whisky-, mas como não tinha whisky misturei com Dreher mesmo. Aí me perguntam; mas por que café Estocolmo? Não sei, mas se inventei eu coloco o nome que quiser. Dúvida; posso fazer Café Estocolmo com qualquer outro conhaque barato? Claro que não. Estocolmo é só com Dreher, invente outro nome para o seu drink.

Mas como tudo que é bom acaba, o Dreher também acabou e tive que voltar para o café tradicional. O tempo também melhorou e não tive maiores problemas com o frio. Então chegou o final de semana e uma garota me presenteou com uma garrafa de Jack Daniel's que solucionou todos os meus problemas em relação a cafés. Cheguei à conclusão que uma garrafa de Jack me faz mais feliz que muita coisa nesta vida. Claro, é possível comprar uma garrafa a qualquer momento, mas ganhar... Bom, ganhar é outra coisa. Me dar um Jack Daniel's é como dar um buquê de rosas para uma garota, me ganha facilmente. Não sei se a garota sabia disso ou não, de qualquer forma parabéns a ela. Já estamos juntos há algum tempo e mesmo sem o Jack eu poderia citar alguns fatos aqui para justificar o tempo que estamos juntos, ela já tinha me ganhado pelas noites de sábado que dividimos a cama fumando e bebendo e transando, mas o Jack veio para acabar com qualquer suspeita.

Falando nisso, eu tenho um sério problema com cerveja. Não, meu problema não tem nada a ver com gastar todo meu salário no bar, muito menos as noites que dormi na rua, me meter em brigas de bar que não conseguiria dar conta, nem com as garotas que deixei de transar porque estava tão bêbado que meu pau mal conseguia levantar. Também não tem nada a ver com vício, pois eu posso parar de beber cerveja a hora que eu quiser, posso ficar dias sem beber cerveja, desde que tenha whisky ou qualquer coisa alcoólica para substituir. Nem tem nada a ver com religião e essa baboseira toda de céu e inferno. Meu problema com cerveja deve-se a minha bexiga. Depois de um tempo bebendo eu começo urinar desesperadamente. Mal saio do banheiro e já quero mijar de novo. É difícil manter uma conversa civilizada, com uma garota no bar, quando você quer mijar de cinco em cinco minutos. E quanto mais eu seguro pior é a sensação. Dói nos olhos, lacrimejando eles acusam meu desespero. Começo a transpirar e é um suor frio. Então tenho que beber em lugares onde existe um banheiro por perto, ou pelo menos uma esquina qualquer onde eu possa me aliviar sem pressão. Então você pensa; porra nenhuma de problema! Problema tem a África, o Oriente Médio, a economia do país. E eu respondo; só lido com os problemas que eu posso resolver.

Na verdade, eu só lido com problemas que me interessam. Sim, me chamem de egoísta se quiserem. Mal posso esperar por isso. A verdade é que pouco me interessa qualquer coisa que não tenha a ver com álcool, sexo e dinheiro, afinal, o que é mais importante que isso?

Outro dia estava falando com uma amiga. Ela dizia que estava em crise em seu namoro. Jurava ela com a certeza que as mulheres têm, e só as mulheres têm, que o cara iria terminar o namoro e que quando isso acontecesse ela iria me fazer uma visita. Eu respondi que seria bem difícil isso acontecer pelo mesmo motivo que citei logo acima; ganhei um Jack, estava transando com a mesma garota já fazia algum tempo e que eu não estava disponível. Não, se pensam que eu estava dando uma de orgulhoso, eu não estava, afinal transa é transa. Ela, para não ficar por baixo disse que só iria lá em casa para conversar, contudo, nunca houve uma vez que ela tenha ido em casa só para conversar. Todas às vezes, ou transou comigo ou com qualquer outro que estivesse de visita. Desta vez não seria diferente, certeza, senão pra mim para o meu cachorro, mas vai que meu cachorro não estivesse com vontade, aí acabaria sobrando pra mim e como eu já disse, não estaria disponível. Mas as mulheres sempre tentam nos convencer desta coisa de sexto sentido e tudo mais. Quando não há razão nenhuma para desconfiar elas colocam a culpa no sexto sentido. Lenda, pura lenda. Caso fosse verdade não haveriam tantas garotas enganadas por aí. Porém, sempre que acabamos com seus argumentos e tentamos colocar algum juízo na cabeça de uma garota, apelam para o sexto sentido.  Já o homem, na dúvida, vai lá e trai na esperança de ter sido o primeiro, pois corre o boato em qualquer roda de homens que quem traiu não pode ser traído. Besteira.

Eu acho tudo isso uma tremenda besteira. A maioria do que se considera de conhecimento popular é uma anomalia idiota. Tudo é uma tremenda babaquice. Ditados populares são toscos como conselhos de velhos. Achamos que com a idade vem a experiência mas sei que um adulto imbecil dificilmente se tornará um velho sábio, assim são as coisas. Por isso que digo que toda essa coisa de ciúme e traição e término de relacionamentos, geralmente acontece por um egoísmo sem fim. Traem para se sentirem seguros (egoísmo), são consumidos pelo ciúme por causa do sentimento de posse (egoísmo), e não importa o que dizem, mesmo o amor maior do mundo não impede você de levar um pé na bunda quando se tornar um estorvo para o outro. Tudo está relacionado ao interesse. As mulheres não amam estorvos, amam quem der mais, quem tem mais a oferecer. Assim que começar a ser um peso você ficará sozinho, como todo mundo. As mulheres aprenderam que os homens não podem demonstrar fraqueza. Quando um homem precisa de suporte, é o bar que estará lá para lhe estender a mão, um copo de algo forte e alcoólico, e se tiver sorte, os ouvidos de alguém tão mais fodido que você.



Bento.

sábado, 27 de junho de 2015

SOMOS TODOS EGOÍSTAS ENTÃO SÓ ME CHUPE SE FOR CONVENIENTE

-

Com o tempo vamos afastando as pessoas de nossas vidas. É um processo natural. Depois de muito tempo, as pessoas que ficam do seu lado são aquelas que realmente merecem - o castigo de sua parte ou da deles - e estes têm seu valor. Quem de vocês podem se dar ao luxo de dizer que convive com alguém desde sempre? Isso é raro. Nós conhecemos várias pessoas ao longo da vida e algumas delas pensamos que permanecerão o resto de nossas vidas, mas invariavelmente partirão, ou nós partiremos, por falta de contato, por preguiça, ou simplesmente porque aquela pessoa acaba se tornando um grande e insuportável pé no saco.

A maioria das pessoas que eu conheço eu me afastei por preguiça. Também por não me importar, mas mais por preguiça mesmo. Por exemplo, odeio ir na casa dos outros. Se eu te encontro em meu caminho é bem possível que eu pare e tomaremos umas cervejas juntos, mas se eu tiver que ir até algum lugar para te encontrar e relembrar os velhos tempos, não me espere, pois não vou. Não vou porque tenho preguiça. Com exceção é claro, se valer a transa.
Basicamente a vida se resume em quem quer te dar somado ao tempo que ninguém dá pra você. É tudo uma coisa se demanda e oferta. Se a oferta é grande não há porque se preocupar em percorrer caminhos tortuosos em busca de uma transa que você pode facilmente conseguir ao lado de casa. Pode perguntar para qualquer virgem, ou idiota, estes dão a volta ao mundo para transar.

Tive um amigo que namorava uma garota que morava em outra cidade e todo fim de semana ele viajava só para transar. Você pode dizer a si mesmo que era por amor, mas eu garanto que se ele tivesse a possibilidade de transar com qualquer outra que morasse mais perto ele faria.

Conheci uma garota uma vez que vendeu seu carro para ajudar o namorado a pagar a faculdade. Esta garota, apesar de simpaticíssima, era de uma falta de beleza sem igual, também era gorda e os dentes da frente separados, contudo, o que fazia dela a última na face da terra em matéria de sexo era o grande calombo que tomava praticamente sua nuca inteira. Este calombo impedia que nascesse cabelo ali. Então ela tentava esconde-lo com o cabelo da parte de cima da cabeça, uma tentativa até que válida, mas que não adiantava muita coisa. De qualquer forma, como toda desgraça ainda é pouca, o tal calombo dava de soltar um liquido viscoso e fétido, logo, nenhum cara em sã consciência, nem os mais bêbados, queriam se arriscar a colocar o pau ali dentro, com exceção do já citado namorado. Digo, pelo menos ele deveria transar com a garota, afinal, ninguém se dispõe a vender o próprio carro para ajudar alguém sem levar nada em troca. Mesmo os ignorantes religiosos doam suas coisas em troca da promessa - infundada - de um bem maior futuro. Resumindo, o cara se formou e deu um pé na bunda da garota do calombo. As coisas são assim, as pessoas são assim, bem como chegam, partem.

Eu estou dizendo isso talvez para justificar o fato de que eu simplesmente não me importo. Não me importo porque já vivi tempo suficiente para saber que as pessoas partem e nem sempre a culpa é minha. Não estou me eximindo de culpa, eu sou o primeiro a apontar o dedo pra minha cara e me julgar, mas nem sempre sou o culpado disso. Não me importo porque sei que as bundas mudam, os peitos mudam, mas num todo, geralmente trata-se da mesma coisa. Garotas que me acham interessante pelo modo que penso, que escrevo, mas principalmente pelo meu jeito de quem não se importa. É um ciclo, entenda; o que me torna interessante é a mesma coisa da qual vai deixa-las emputecida depois de algum tempo.

Eu nunca destrato ninguém, já disse isso aqui. Se destratasse não voltariam e a ideia é que elas sempre voltem, pelo menos até o momento que elas são interessantes. Dito isso, sou culpado quando dizem que se sentiram importantes, mas na verdade a culpa é dos seus relacionamentos passados com imbecis que as trataram como bosta. Faço tudo intensamente, também já disse isso, então olho nos olhos enquanto as penetro, agrido quando me pedem e faço tudo como se fosse a última vez, afinal, com meu estilo de vida pode mesmo ser. De repente um orgasmo pode se transformar em um enfarte e meu coração pedir arrego, pode acontecer, não seria nenhuma surpresa, e caso aconteça quero chegar ao lugar que tenham reservado pra mim com um belo sorriso no rosto e a sensação de trabalho bem feito. Logo, sou culpado quando me acusam de comê-las de forma que lhes deem esperança de que houve sentimento, mas sou inocente delas tirarem a calcinha para qualquer cuzão que as comem como quem toma café de manhã apressado para o trabalho.

Mas eu também já me senti vítima. Algumas garotas aceitaram transar comigo apenas para serem citadas em meus textos. E depois disso partiram. É difícil passar por uma situação desta, quando você ainda não está saciado e a pessoa te deixa na mão porque já conseguiu o que queria. Porque no final é isso, estamos todos em buscas de recompensas, metas que almejamos atingir. No final, somos todos egoístas e não fazemos nada que não seja para o nosso próprio bem. A garota só dá para alguém por acreditar que aquilo a fará bem de alguma forma, se não for por prazer sexual, que seja pelo prazer sentimental - e tem muita mulher que continua dando pro cara errado pelo simples fato de gostar do cara - ou pelo prazer da vaidade - e as mulheres são expert em dar pro cara pelo simples fato dele lhe dar em troca roupas e plásticas e viagem para que ela possa alimentar a vaidade de postar as fotos no Facebook - ou o prazer de qualquer coisa que venha te fazer feliz. Os homens que aturam uma relação da qual não quer pelo simples fato de ter roupa lavada e sexo sem sacrifício - e o que tem de cara por aí que se sente preso como um animal em seus relacionamentos - ou os caras que ainda se prendem a garotas com medo de assumir que na verdade gostaria de ter sua próstata cutucada por uma rola grossa e cheia de veias - eu conheço alguns. É justamente por isso que eu não saio por aí chorando e falando mal das garotas que se vão e não voltam. Afinal somos todos egoístas, então só me chupe se for conveniente.



Bento

segunda-feira, 1 de junho de 2015

ENQUANTO ELA ESTÁ DEITADA EM MINHA CAMA TAMBORILANDO OS DEDOS NUM COPO DE WHISKY


-

Parte de mim esta aqui. Deitado em meu quarto, com o livro do Bukowski ao lado que não tenho coragem de abrir. Na verdade tentei engatar na leitura por três vezes e não consegui. Coloquei alguns Blues pra rolar, mas mesmo assim olho para as paredes, os pôsteres e nada. Albert King faz um vibrato na guitarra suficiente para deixar qualquer fã com os pelos do braço arrepiado e eu sequer ergo os olhos para contemplar.
Fica estranho quando você faz todo o mantra para escrever. Antes algumas cervejas, uma dose de um bom Bourbon e espera a inspiração vir só que ela não vem. Nessa brincadeira foram vinte latas de cerveja, meia garrafa do Jim Bean e um maço de cigarros e nada. Absolutamente nada. Apelei para as fotos antigas e mesmo assim foi como ver paisagens do Bing. Senti vontade de matar duas ou três personagens que nelas estavam e pensei que poderia partir daí para escrever qualquer coisa, mas me enganei.
Mais Blues, mais Bourbon, mais cigarros e cervejas e não escrevi uma linha sequer. O pior? Eu ainda enxergava meus dedos e onde eles tocavam.

Passei a pensar no outro dia e comentar sobre transar com amigas que bebem como gente grande. E transam como gente grande. E pensam como gente grande. Aquele tipo de garota que faz tudo aquilo que tem vontade e eu as respeito por isso. O tipo de garota que faz tudo que um homem faz só que melhor.
Eu sempre tive um fraco por garotas marrentas. Que fazem barraco na rua por ciúmes. Que gargalham alto e choram quando estão com raiva e não fazem questão de esconder de ninguém. Porque garotas assim sentem tudo a flor da pele e sempre me passam a imagem de verdade. Eu posso estar errado num caso ou em outro, mas em suma é isso.

Se voltar alguns textos verá que eu tinha tempo para dar e vender. Hoje eu gostaria de ter para compra-lo, pois não está fácil. Não tenho espaço na agenda sequer para me masturbar, quanto mais fazer social com uma garota enquanto ela está deitada em minha cama tamborilando os dedos na borda do copo de whisky pensando quanto tempo é necessário para que ela tire a roupa sem que eu pense que ela é uma vadia. O que essas garotas não sabem é que quanto mais vadia, mais eu gosto. Gosto, pois como costumo dizer; pureza só é bom para nossas filhas e a vodca. Gosto das vadias porque ninguém é santo e quem finge ser pode fingir várias outras coisas e eu não gosto de fingimento. Logo, tire a roupa quando achar que deve e se quiser começar tirando a minha ganhará pontos por isso.

No trabalho, todos os dias, depois de um dia cansativo, antes de acabar o expediente, sempre na mesma hora, eu saio para fumar um cigarro e desacelerar os pensamentos. E todos os dias, como se combinássemos, vem um gato preto até onde eu estou sentado fumando. Ele se aproxima como os gatos fazem. Cautelosos e lentos. O gato passa por mim, mas sempre notando minha presença e eu a dele. Ignoramos-nos, mas não deixamos de nos notar. Então este gato entra num bueiro como um rato faria. Ele entra todo no bueiro, dentro mesmo e fica lá por alguns minutos. Eu acendo sempre mais um cigarro para vê-lo fazendo seu ritual. Então, finalmente sai o gato com uma barata na boca. Às vezes uma barata mais traiçoeira foge correndo do bueiro e o gato preto e magricela sai atrás dela até alcançá-la. Mas o gato não mata a barata. Ele apenas quer se divertir. A barata, é claro, não entende. O vê como uma ameaça. E o gato cuidadosamente bate na barata com suas pequenas e macias patas forte o suficiente para que o inseto corra e ele corre atrás dela. Na falta de um rato, este gato brinca com as baratas. E todo dia é assim. Este é um gato de rituais. Todos os dias, reserva-lhe aquele período para curtir com a barata.
Eu também sou um animal de rituais. Não levanto da cama antes de um cigarro. Não entro no banho sem antes tomar uma grande caneca de café. Não faço nada sem música, nem cagar, nem comer, nem dormir ou transar. Passo um bom tempo na frente do espelho aparando a barba e arrumando o cabelo. Assisto aos jogos do Corinthians sempre no mesmo sofá, tomando cerveja e com o volume ao máximo, e grito com o juiz mesmo sabendo que não serei ouvido. Dificilmente passo um dia sequer sem cerveja. Não durmo sem o último cigarro, pois aquele pode ser realmente o último. Nunca se sabe quando vamos acordar ou dormir definitivamente, então todos os dias fumo meu cigarro antes de dormir refletindo sobre aquele que pode ser meu último cigarro. Não transo sóbrio porque tenho sempre a companhia de meus demônios. A última garota que transei sóbrio foi há um pouco mais de cinco anos. Para ser sincero, a única coisa que faço sóbrio é trabalhar, de resto...
Então talvez, resumidamente meu ritual é estar bêbado? Sim, ou grande parte dele pelo menos. Consigo fazer várias coisas ao mesmo tempo apesar de não gostar, prefiro fazer uma coisa de cada vez e também é assim com garotas, com exceção, claro, se elas estiverem juntas. Se vou mentir começo sempre com a palavra "então" após uma pergunta, que é para dar tempo de pensar na mentira, mas também não gosto de ter de contá-las. Prefiro guardar minha criatividade para outras coisas. Podem ser rituais ou TOC. Nunca sei dizer ao certo. Sendo assim, não é difícil imaginar o quão complicado acho manter um relacionamento com qualquer mulher. Não se encontra em qualquer lugar garotas dispostas a aturar caras com todas essas manias. Normalmente mulheres não têm rituais, o humor delas é inconstante, o meu não. Estou sempre de mau humor, pelo menos de manhã.

Dito isso, decidi me afastar um pouco de garotas. Por um tempo, sem pressão. Parei de ligar e convidá-las para qualquer coisa, deixei de atender as ligações e responder mensagens. O motivo disso é difícil explicar. Estou num grau de tédio que supera qualquer coisa. Um desinteresse coletivo. É preciso uma coisa muito, mas muito interessante mesmo para me tirar de minha companhia solitária. Ultimamente só abro a porta de casa para duas garotas ou mais, assim elas conversam entre si e eu posso perder-me em meus pensamentos inúteis.
Chame isso de preguiça se quiser. Pode chamar de covardia também, eu chamo de tédio. E tem mais. Eu estava entrando numa vibe de ser bastante procurado por garotas comprometidas e estava gostando disso. Nunca gostei de me envolver em relacionamentos alheios, porém estava me envolvendo. Talvez, também por isso resolvi dar um freio nesta bagunça toda. Mesmo porque eu tenho uma coisa de chamar atenção de maridos e namorados. Mesmo aqueles que não conheço, só ao ouvir falar de mim já me odeiam. Algumas garotas me dizem, naquelas conversas sem propósito que levamos quando não se vê alguém há muito tempo, elas dizem: Meu namorado te odeia. E eu sequer conheço esses namorados ou maridos. E eu sequer dei qualquer motivo para que eles me odeiem. De qualquer forma, não ficaria surpreso se um dia fosse assassinado com um tiro bem no meio dos olhos por um desses caras ciumentos. Sem motivo, simplesmente por suas garotas não foderem com eles direito. Simplesmente por suas garotas não os chuparem direito, ou por suas garotas trocarem os nomes deles pelo meu na hora da foda. Será? Soube de uma ou duas que fizeram isso, só que eu tenho tanta responsabilidade por isso quanto tenho pelo aquecimento global. Algumas pessoas me superestimam demais. Eu sou só um cara, e com tantos problemas que se soubessem provável que deixariam de notar minha existência.

Então, por isso eu não passo mais meus dias telefonando ou puxando conversa com garotas que eu mal conheço. É cansativo e desinteressante no momento. Não movo um músculo, não sem antes uma boa recompensa. Como qualquer pessoa que escreve, inevitavelmente reflito sobre o final de qualquer história antes de começá-la.



Bento.

-

sábado, 2 de maio de 2015

EMBRIAGAR-NOS - O EVANGELHO SEGUNDO BENTO

-

3:1 - A vida é realmente uma grande bola de merda que roda e roda e espalha todo tipo de germes por aí. Não se pode achar que vai passar por aqui sem sujar as mãos. Não quando esse amontoado de anos que formam sua passagem depende da ação de outras pessoas.

3:2 - A coisa é mais ou menos assim; você vem ao mundo grudado a alguém e passará o resto da vida tentando entrar em um monte de outras pessoas e permanecer o máximo de tempo possível lá dentro. Só que nem sempre é simples. Não é como um boteco barato que você entra, pede uma dose de algo que o seu bolso pode pagar e sai sem fazer perguntas. É mais que isso.

3:3 - O mundo a sua volta corresponde a cada ação sua. E por vezes responde mesmo sem qualquer ação e você tem que estar pronto para tomar a decisão correta em cada situação, só que você geralmente não está. E instantes depois de cada ação você pensa em infinitas alternativas que poderia ter colocado em prática, só que você não escolheu nenhuma delas. Escolheu exatamente aquela que vai te fazer arrepender-se por não ter parado, pensado, respirado e aí sim, tudo seria maravilhosamente interessante. Mas a vida é uma grande bola de bosta. Não se esqueça disso.

3:4 - Qualquer música no rádio, ou no carro com meia dúzia de imbecis que passa por você na rua com o volume ao máximo, suficiente para fazer as janelas tremerem podem te trazer lembranças ou pensamentos insanos. E mesmo esses idiotas parecem tão mais felizes que você e estão, enquanto volta do trabalho cansado, o saco transpirando na calça usada há três dias seguidos, e duas ou três latas de cerveja na mão que confiamos amenizar um pouco toda essa mediocridade, todos parecem mais felizes enquanto você lê o jornal de manhã e pensa; por que eu ainda não me mudei para algum pais do leste europeu e abri um bar? Qualquer coisa pode ser melhor que essa merda toda. Mas você é um covarde que economiza na marca de pasta de dente para poder pagar a internet. Eu sei, pois também sou um desses que economiza na pizza para poder comprar um whisky com maior qualidade que aquele que se vende em bares com baldes cheios de energéticos. Pois eu, assim como você, necessito de ter um pouco de sabor e qualidade nesta vida de merda que nos priva de tanta coisa.

3:5 - Passamos disso para refletir sobre tudo que está em volta. E não pense que devido aos meus óculos escuros escondendo minha ressaca e o meu livro comprado em sebo fazem de mim uma pessoa desatenta. Eu reparo em tudo e nada me encanta. Digo, quase nada me faz manter o olhar mais que alguns milésimos de segundos,  minha mente automaticamente simula todo o contexto, toda a trajetória de infinitos relacionamentos e descarta qualquer ação que justifique largar o meu livro e sorrir para alguém.

3:6 - Não há escapatória, tudo vai acabar mal para ambos os lados e normalmente quem ganha é o mais idiota que não consegue sentir as coisas tão profundamente quanto uma facada numa briga de bar qualquer. Repare que os idiotas são sempre mais felizes. Não guardam mágoas, porque não guardam nada.

3:7 - Você pode ser um escritor, um pensador, um músico, ou tudo isso e achar tudo uma merda. E digo; provável que achará tudo uma merda. Já o idiota vai achar tudo magnífico, afinal qualquer merda pro idiota é sensacional.

3:8 - Não passaremos por essa vida sem algumas dúzias de pecados e caso faça digo com toda certeza que cometeu um dos maiores erros de sua vida. Afinal, para este evangelho, pecado é só uma coisa que implantaram na sua mente para que tenha peso em sua consciência quando estiver se divertindo. Para que pense no pobre quando estiver tomando uma cerveja de R$150, ou para que pense no virgem quando estiver com duas garotas te chupando. Isso é o pecado e nada mais que isso, um amontoado de leis que te deixa sem jeito quando tem motivos suficientes para sorrir e contar aos amigos. Para que mantenham as rédeas em seus corpos fazendo o que bem entendem.

3:9 - Não haverá salvação para aqueles que se deixarem levar por religiões e mandamentos arcaicos com a intenção de controlar. Não há salvação, porque a vida é curtíssima para perdermos tempo com isso.

3:10 - A cada trepada que deixa para trás por motivos alheios é um momento de intensa e singular felicidade que joga fora pelo simples fato de alguém lhe dizer que está errado.

3:11 - Se é verdade que Deus criou o mundo e que sacrificou seu filho para nos salvar que no mínimo você viva sua vida com imensa intensidade para fazer jus de sua morte. Embriagar-nos com felicidade é o mínimo de agradecimento que podemos oferecer.



Bento.

-

segunda-feira, 20 de abril de 2015

GÊNESIS - O EVANGELHO SEGUNDO BENTO

-

CAPÍTULO 1 - A MORTE


2:1 – Ao contrário do que pensam, não trata-se de um erro colocar o segundo capítulo e chamá-lo de Gênesis. Afinal, para entender tudo o que eu vou dizer, primeiro é preciso familiarizar-se com a morte, pois somos um amontoado de quase nada tentando dar sentido para coisa alguma. Por isso, este capítulo aqui começa pelo final. O fim da vida. Nascemos, morremos e se fizermos tudo certo, seremos felizes neste meio tempo. Não há muito segredo.

2:2 - Então depois de entender que inevitavelmente morreremos e poderemos ir para um lugar melhor ou não, entendermos que poderemos ir para lugar algum, aí sim começamos a conversar e a viver, que é só o que importa.

2:3 - Quero partir do princípio que tudo o que sabe sobre religião, de qualquer origem, bem, esqueça isso. Não há nada mais usurpador que a religião. Não há nada mais controlador que a religião, por isso, aconselha-se sempre afastar-se deste tipo de tendência. Nunca será possível tomar estar palavras como reflexão se já está prefixado em sua mente que existe alguém superior a você capaz de lhe dizer o que é certo ou errado. Você estará quebrando a única regra da qual é baseado toda esta resenha. Mas ainda aproveitando para esfregar na face de qualquer idiota que se opor a essas palavras; se somos todos a IMAGEM e SEMELHANÇA do Homem, não há porque eu ser mais ou menos que meu próximo. Veja que até Deus concorda com esta regra que sugerimos aqui.

2:4 - Este evangelho não é nem de perto religioso, mas claro, também temos os nossos dogmas e cultos e louvores.

2:5 - Você que tem o conhecimento deste evangelho saiba que poderá alcançar a glória sempre que quiser. Mesmo em casa, em sua solidão. Sempre valorize a própria companhia, pois ninguém poderá ser-lhe tão fiel quanto você mesmo. Algum grande poeta já disse que se não consegue ser uma boa companhia pra si, não será para ninguém, todavia isso é outra história. Esqueça as velas, exceto se fizer questão, o verdadeiro fio condutor da paz interior é definitivamente o álcool.

2:6 - Uma boa dose de algo quente e forte, ou gelado e constante te deixará bem mais próximo de seu "eu" interior. Ficar bêbado sozinho exige um alto nível de autoconfiança e autossuficiência. Nunca menospreze seu inconsciente, você pode aprender muito com ele. Isso é quase como uma meditação, mas mantenha os olhos sempre abertos para ver até onde sua imaginação pode levá-lo.

2:7 - Celebre a solidão, celebre a dor, celebre a garrafa inteira à disposição de sua libido. Se você vai fazer isso pela primeira vez pode colocar um ou dois dedos de água por dose, mas aconselho diminuir a mistura gradativamente, pois se quer uma alma pura que a dose também seja. Cigarros são bem vindos. Com isso você já está pronto para ir onde sua imaginação quiser. Ao passado, ao futuro, ao céu ou inferno. A noite é sua, faça o que quiser. Quando fizer isso há algum tempo, quando já estiver num nível superior, perceberá que não é mais refém da vontade alheia. Só você, as paredes e o destilado poderão ditar as regras.

2:8 - Sem a necessidade de outras pessoas, sabendo que pode muito bem se divertir sozinho, passará a escolher cada companhia e aproveita-las cada segundo. Não vai se deixar levar por qualquer proposta ou o medo de permanecer sozinho, afinal, volto a dizer; é e sempre será sua melhor companhia.

2:9 - Contudo, preciso alertá-los; aos olhos alheios, aparentará estranho, sujeito a críticas, olhares esguios, preconceitos e palavras incrédulas contra sua lucidez, mas saiba que sempre poderá contar com a compreensão de seus irmãos de bar.

2:10 - O bar sempre será o lugar onde achará proteção e a sabedoria de uma força maior; a cumplicidade e a capacidade de encontrar sujeitos em situações piores que a sua para aliviar um pouco a tristeza.

2:11 - O bar é nosso templo e nossa morada. Depois de nossas casas é o lugar mais sagrado e protegido. Onde compartilharemos historias e aprendizados com nossos irmãos. Onde ensinaremos e aprenderemos. Onde seremos professores e alunos, pois é importante que saibamos que sempre podemos aprender com o próximo, mesmo que seja uma nova marca de cerveja ou um jeito novo de assar uma carne.



Bento.

segunda-feira, 30 de março de 2015

A MORTE - O EVANGELHO SEGUNDO BENTO

-

1:1 - Todos sabemos que vamos morrer em algum momento. Se você não se dá conta disso é bom reconhecer o mais rápido possível que você é um imbecil. Pois ser imbecil não é pecado desde que em algum momento você assuma isso.
Quando se é um imbecil e acha que está muito bem com isso você começa de perpetuar tamanha imbecilidade e nada pode te salvar.


1:2 - Então se todos vamos morrer e acredita-se que algo ou alguém nos colocou neste mundo de merda pra alguma coisa MAIOR,  aconselha-se viver até seu último suspiro exatamente como você quiser. Isso mesmo. Faça todas as coisas que vir à sua cabeça e mande se foder todos os outros que se mostrarem contrário a isso. Com exceção, claro, se você estiver invadindo o direito do próximo de também exercer este direito ou se você for um imbecil. Esta é a única regra. Proteja essa regra como sua vida. Nunca, nunca mesmo, por mais prazeroso que seja, tire o direito do próximo de viver segundo estas palavras, afinal, somos todos merda do mesmo intestino, logo teremos de ter os mesmos direitos. O que não prevê nenhuma proibição de chamar de idiota aquele que prefere levar a vida até sua morte de forma que você não concorde. Todos temos direito a opiniões, mesmo o idiota, pois para tudo existem os prós e os contras, conviva com isso.


1:3 - Dentro deste argumento você pode apertar o botão do foda-se e largar sua família, amigos e emprego, porém saiba que não é o único a odiar trabalhar e também por isso não tente usurpar de outros os benefícios que o trabalho deles lhes traz, pois por melhor que seja sua vida, não se pode ter tudo. Trabalho gera dinheiro que gera conforto dentre outras coisas, não queira ter conforto sem trabalho, com isso estará inevitavelmente quebrando a única regra aqui apresentada. Qualquer coisa que lhe for dada de livre e espontânea vontade deve ser aceita sem maiores preocupações.


1:4 - Sei que vou parecer repetitivo, mas para alguns vermes é preciso repetir até que a informação fixe em suas mentes de ameba. Todos temos direitos e deveres e é dever de todos zelar pela única regra que existe neste evangelho. Não matarás quem não queira ser morto. Não usarás quem não queira ser usado. Não comerás quem não queira ser comido. Não fará sexo com quem não queira fazer sexo com você. Parece simples para algumas pessoas, porém para outras é um tanto quanto difícil conter certos anseios. Mas digo-lhes, se fosse fácil não seria uma regra.


1:5 - Ainda dentro desta regra de não se perpetuar sobre a vontade do próximo, digo que segundo a lei da física dois corpos não podem habitar o mesmo espaço. Com isso entenda-se que não é apropriado invadir o espaço do próximo sem o prévio consentimento deste. E mesmo aquelas situações que você acredita piamente que o outro dê sinais de que quer ter seu espaço invadido, é melhor ter certeza. Ou queimarás no fundo do inferno da mediocridade. E todo este evangelho se baseará nisto. Em você ser a escória do mundo ou ser um sujeito que colherá os frutos de seguir estas palavras. Isso é mais que algumas normas de etiqueta e menos que um livro religioso imbecil. Sequer é um manual, mas sim algo para reflexão. Não se pode conviver entre seres iguais se não igualar-se a eles. E é pensando nisso que eu digo que as pessoas à sua volta podem não gostar de seus assuntos de bosta, ou das suas músicas de merda. Logo, o som que você emite também pode romper a barreira do espaço do próximo que falamos acima. Isso também faz parte da física e não precisa ser nenhum gênio para entender isso. Agora, se você for um imbecil...



1:6 - Caso você seja um imbecil, o único caminho para a salvação é seguir estas regras. Aceite que morrerás e que você pode passar por essa breve vida sem construir nada de interessante e definitivo, mas que você pode se esforçar para isso. Foque na eternidade. Em algo que as pessoas vão lembrar mesmo após sua inevitável partida. E ninguém se lembra de idiotas, ou pelo menos não querem lembrar. Por isso não tenha medo da morte e sim da vida. Ela pode lhe causar maiores e males e tão definitivos quanto uma possível vida eterna. Morrer é o fim, já viver é um ato contínuo de fazer as coisas de forma que você sinta-se feliz no final. Sem arrependimentos, contudo, caso os tenha, que se foda, ninguém é perfeito.


Bento.

-

sábado, 28 de fevereiro de 2015

O ESQUARTEJAMENTO DE BÁRBARA

-

Episódio anterior: O AFOGAMENTO DE BÁRBARA

A garota magra e esguia estava deitada de bruços na cama e o sujeito tinha amarrado suas mãos às costas com uma gravata de seda e as mãos estavam amarradas aos pés com o fio do telefone do quarto de motel que ele arrancara. A aparência da garota presa, indefesa e tentando encenar um terror que não existia ainda não estava excitando o homem como ele queria. A garota estava gostando daquilo, mais até do que ela esperava. Chegava a molhar o lençol estampado com o logo do motel com o liquido escorrendo entre suas pernas. O homem era alto, magro, mas não a ponto de parecer desproporcional nem a ponto de ter suas costelas aparecendo em seu peito nu e branco. Nesta posição a garota amarrada fazia sexo oral no homem enquanto ele segurava seu cabelo firmemente fazendo força para que sua garganta aceitasse todo o volume de seu pênis. Mesmo as lágrimas nos olhos da garota devido o esforço não deixava o homem excitado o suficiente, nem os tapas no rosto dela. Então ele decidiu tentar uma última coisa. A história de Carlos, um de seus pacientes, aliado a notícia que havia lido semanas atrás, de uma garota que tinha cortado a garganta de seu namorado naquele mesmo hotel, naquele mesmo quarto, não lhe saia da cabeça e as lembranças sim, estavam excitando-o, a garota ainda nem tanto. Portanto decidiu tirar seu membro da garganta da garota pálida e maquiagem forte e manchada pelas lágrimas e ir até sua valise. A moça ao ter sua boca desocupada tossiu e cuspiu o excesso de saliva no chão do quarto e por isso só percebeu a lâmina hospitalar na mão de seu algoz quando ele já estava à frente dela novamente.

Agora sim, o terror nos olhos da garota era real.

- Calma, Bárbara. Eu te prometo que não vai doer.

O homem fez questão de achar uma garota magra, branca e de cabelos negros como Carlos havia descrito sua garota imaginária, mas Bárbara não era seu nome, e sim Lilian.
E era exatamente este terror que o homem procurava. Sua maquiagem borrada piorou devido mais lágrimas que saiam dos olhos de Lilian e desta vez ainda não havia nada incomodando sua garganta. Ela começou a perguntar-lhe o que o homem iria fazer, ainda tentando fingir que estava gostando da brincadeira até levar um soco no rosto que provavelmente quebrara seu nariz. Logo que Lilian ameaçou gritar sentiu o gosto da meia social de algodão penetrando sua boca. Sua língua tentou expulsá-la em vão. Na briga entre sua mandíbula e a mão do homem ainda conseguiu morder seu dedo indicador com força, mas não a ponto de sangrá-lo. O homem deu mais um soco no rosto da garota que tentava se desvencilhar da gravata e do fio de telefone para fugir daquele insano, porém os nós eram bem feitos. Lilian ainda teve tempo de mirar os olhos de seu assassino temendo imensamente pela sua vida quando sentiu a lamina gelada em contato com seu pescoço quente cortando-o de orelha a orelha jorrando sangue no chão sujo de cuspe. No mesmo momento que cortava a garganta da garota o homem ejaculava. Era o temor nos olhos da garota que faltava para que ele chegasse a seu ápice de prazer. Parte de seu esperma ainda espirrou no rosto desfalecido de Lilian fazendo com que o homem abaixasse para vislumbrar aquela cena da garota com os olhos sem vida e rosto sujo de porra.

Ele já estava vestido com seu terno italiano quando ouviu seu celular tocar. No quarto de motel, à meia luz, o único som era do seu toque de celular com a música Simpathy of the Devil que ele escolhera para sua secretária.

- Quaresma. Disse ao atender o telefone.

Cassandra, sua secretária tatuada falou do outro lado da linha.

- Doutor, desculpe incomodá-lo. Mas acho que temos uma emergência.

- O que foi desta vez, querida?

- Carlos Rodrigues, seu paciente nas quartas-feiras, está preso.

- Preso?! Onde?

- No 13º DP. Suspeito de assassinato, doutor.

- Novidade. Estou indo para lá.

Benedito desligou o telefone e saiu do Motel Libelillun sem ser visto a caminho do 13º DP em seu Mini Cooper azul.

Cabo Hudson completaria oito anos de corporação no mês seguinte e já tinha feito testes para Polícia Civil duas vezes sem sucesso. Ele conseguira ir bem nos testes físicos, apesar de sua barriga saliente. O que fazia Hudson ter sua transferência negada eram as provas de matemática e português. Mesmo as perguntas dissertativas eram um problema. Nunca foi um CDF, na escola ele era o valentão, tudo que ele precisava era ameaçar os garotos de sua turma e eles passavam as respostas para ele. Desta vez ele não podia contar com sua força, pelo contrário, estava ali, preso atrás da recepção do 13º DP justamente por usar sua força na hora errada. Meses atrás o cabo estava numa ronda quando recebeu o chamado de uma suspeita de assalto no bairro que ele fazia ronda. Pegou dois moleques fugindo da casa de uma senhora cega de setenta e poucos anos. Na prisão acabou quebrando os dois pulsos de um assaltante e o outro chegou ao hospital com afundamento de crânio. Sorte a dele que o parceiro testemunhou a favor dizendo que foi em legítima defesa. Por isso Hudson queria ir para a Polícia Civil, queria prender bandidos de verdade, não aqueles ladrões de galinhas.
O policial agora só pedia identidade e fazia as pessoas assinarem o livro de visitas da delegacia.

- Boa noite. Quero ver meu paciente, Carlos Rodrigues.

O cabo já não foi com o sujeito logo de cara. Terno caro, gel no cabelo penteado para o lado. Ele já conhecia aquele tipo.

- E quem eu devo anunciar, madame?

- Como é?

- Seu nome, qual seu nome?

 - Doutor Benedito Quaresma.

Doutor?! Bela merda. Todo mundo era doutor. Doutor disso, doutor daquilo, tanto tempo ali na recepção já o fez deparar-se com cada figura. Tinha uns que até colocava doutor na identidade fazendo questão de documentar sua mediocridade.

- Levante os braços para fazer a revista. Disse o guarda.

Quaresma levantou os braços como se fosse um evento. Fazia pose para tudo. Era um galã bufando pelo fato de ter de ser revistado. Só foi lembrar-se dos comprimidos de ecstasy depois que Hudson já estava apalpando seus bolsos.

- Olha o que temos aqui... Que droga é essa? Hudson perguntou com satisfação no rosto, afinal, fazia tempo que não efetuava uma prisão.

Para evitar a burocracia Quaresma pensou rápido e disse serem medicamentos para seus pacientes.

- Infelizmente, devido a pressa esqueci das receitas, mas eu posso fazê-las agora mesmo, se o policial desejar. Tenho um bloco de receitas na minha valise.

- Talvez seja uma boa ideia você fazer essas receitas para garantir. Nunca se sabe quando vai entrar aqui um maluco cheio de drogas nos bolsos. Disse Hudson mostrando agora a tranquilidade de quem tinha todo o tempo do mundo.
Hudson tinha, mas Quaresma não tinha tempo nem paciência, principalmente com policiais desmotivados com a profissão.

- Veja, Cabo... - Benedito abaixou os olhos até o nome do policial bordado na farda - Hudson, né? Eu estou totalmente de acordo com você, isso só mostra o quanto está empenhado em ser o melhor dos policiais - Benedito fingia uma sinceridade impressionante - mas eu não quero fazê-lo perder tempo. Acredito que você terá muito mais prazer em vingar-se do homem que te reprovou nas provas para a Polícia Civil.

- Como você sabe das provas e que eu fui reprovado? Hudson se mostrava mais assustado que curioso.

- Não precisa ser muito esperto para perceber que este cargo atrás de uma mesa não está à sua altura. Não, amigo, se é que posso chamá-lo assim. Mas se aquele delegado simplesmente sumisse, acredito que quem o substituir conseguirá enxergar todo o seu talento.

- O que quer dizer com isso? O Cabo perguntou interessado.

- Bem, ele não pode continuar no seu caminho.

- E o que espere que eu faça, que eu mate o cretino?

- Viu como você é esperto, amigo? Nunca deixe que lhe digam o contrário, exceto, é claro, se você achar que não é capaz... A última palavra Quaresma disse pressionando os lábios e levantando as sobrancelhas como quem lamenta.

***

Carlos estava na cela da delegacia com mais três indivíduos. Dois deles estavam detidos por não pagar pensão aos filhos e o outro era acusado de ter roubado o caixa da empresa. Benedito fez cara de entediado ao olhar para os homens que dividiam a cela com Carlos.

- Seus merdinhas. Deveriam se envergonhar de cometer crimes tão banais. Os três homens da cela estavam tão envergonhados que se limitaram a olhar o autor da bronca e baixar os olhos imediatamente.

- Você sabe o que eles fizeram? Carlos perguntou.

- Nada digno de nota. Nada mesmo.

Junto com Quaresma estava um outro guarda que o acompanhou até a cela de Carlos, até que notou que ambos precisariam de privacidade.

- Não vai me dizer que está aqui por causa da Bárbara? O médico perguntou e Carlos assentiu com a cabeça - Pelo menos a droga que eu te dei funcionou, então.

Carlos fez que não com a cabeça.

- Mas que caralho! Então me diga o que aconteceu.

- Na noite que eu saí do consultório eu esperei até que ela aparecesse e a afoguei. Foi fácil. Mas desta vez eu fiquei esperando para ver se ela acordaria, como das outras vezes.

- E daí? Perguntou Quaresma tentando disfarçar o interesse.

- E daí que ela não acordou. Fiquei desesperado com o corpo dela nu e gelado. Os lábios... Os lábios dela estavam roxos.

- Natural para quem está morto.

- Pois é, aí eu peguei no sono porque eu tava muito bêbado. De manhã ela não estava mais lá, como de costume, então segui minha vida normalmente. Até tomei um pouco do coquetel que você me deu e estava coberto de razão. Foi uma das brisas mais loucas que eu já tive e ainda por cima não vi a Bárbara.

- Modéstia à parte, eu sei tudo sobre narcóticos. E você a viu novamente?

- Sim. Hoje. Ela estava no bar onde eu fui, mas ao contrário das outras vezes ela me ignorou. Fingiu que eu nem existia. Eu fiquei esperando pra ver quanto tempo demoraria até que ela viesse falar comigo, pedi José Cuervo e tomei quatro doses seguidas porque sou muito fraco pra tequila e nada. Pelo contrário, ela começou a falar com todos os caras do bar menos comigo.

- Mulheres... Disse Benedito revirando os olhos.

- Eu fui ficando bêbado e com tesão, você fica de pau duro quando tá bêbado? Perguntou Carlos divagando do assunto.

- Muito. É incontrolável, mas continue. O que aconteceu depois?

- Bom, fiquei puto e com ciúme...

- Mesmo as garotas imaginárias fazem showzinho. Disse o doutor.

- Então alguém colocou Matanza na Jukebox e ela começou a dançar com um idiota qualquer. E pior, ela dançava exatamente como dançou no dia que eu a afoguei. Aí deu merda.

- O que você fez?

- Eu não me lembro muito bem, estava bêbado. Ainda estou, eu acho. Só sei que quebrei uma cadeira no desgraçado. Tomei alguns socos, mas estou inteiro. Aí vim parar aqui.

- Foi só uma briga de bar? A Cassandra disse que você foi preso por suspeita de homicídio.

Carlos parecia envergonhado quando ouviu a acusação - É que enquanto era trazido até a delegacia eu gritei algumas vezes que havia matado a Bárbara.

- Você é mesmo um idiota.

- Eu estava bêbado.

- Tudo bem, um bêbado idiota.

Quaresma chamou o policial que aguardava no fim do corredor e fez sinal para que abrisse a cela.

- Vamos, vou te tirar daqui.

- Obrigado, doutor.

- Mas vou cobrar a hora.

- Tudo bem, desde que eu ganhe uma carona.

***

Carlos estava em casa com pouca coisa de maconha enrolada no papel dos pães que tinham servido de jantar na escrivaninha. Ao lado um copo do Jack Daniel's pela metade que ele bebia vagarosamente, sentindo o sabor suave e amaciando a garganta para o cigarro. Pensava na prisão, pensava em Bárbara, na ajuda que Quaresma tinha lhe dado. De certo modo, aquele psicólogo filho da puta não era de todo ruim. Carlos pensava que de um jeito ou de outro acabava fazendo o que Benedito dizia e isso sempre lhe causava dor e confusão, mas sentia que fazia porque alguma coisa soprava em sua mente, em sua consciência que era a coisa certa a se fazer. Tanto que as últimas palavras de Quaresma, dentro do carro parado em frente o prédio de Carlos foram:

- Você ainda quer se ver livre dela?

- Mais do que nunca. Carlos respondeu

- Corte-a em pedaços e espalhe por aí. Dê aos cães, aos mendigos, coma você mesmo se preferir. Queime, congele, guarde um pedaço para você se lembrar. Até porque os homens adoram lembrar do passado, mesmo que seja trágico.
Carlos não respondeu, mas entrou no elevador pensativo. Se tivesse coragem... Desta forma, se fizesse do jeito que Quaresma disse, era quase certo que nunca mais veria Bárbara. Contudo a dúvida ainda pairava em sua cabeça. Queria mesmo deixá-la para sempre? Tanto tempo passando as noites com a garota que sempre sonhara, contando seus segredos mais indiscretos, bebendo e fumando juntos e compartilhando de cada cômodo de seu apartamento. Nus e libidinosos.

Carlos desceu dois andares antes do oitavo onde morava. Queria ir pela escada de incêndio onde uma vez havia beijado Bárbara e sua boca ainda guardava o gosto daquele beijo. Mesmo depois de passar a noite na cadeia sem escovar os dentes, mesmo que desde aquele beijo tivesse bebido todos aqueles destilados, cervejas, mesmo assim ainda sentia o gosto. Não havia cigarros, charutos ou cachimbos suficientes para tirar aquele gosto da boca. Subiu os dois andares degrau por degrau e lembrava.
Hoje seria sua última noite com sua garota. Se é que podia chamar assim. Se é que uma garota que não existe pode ser de alguém. Mas Carlos teve um devaneio, pensando que se ele havia criado então que ela só poderia ser dele.
Carlos chegou ao apartamento e tudo aquilo lembrava-o de todos os momentos com Bárbara. Tirou os sapatos ali mesmo na porta. Tirou a camisa e a jogou no sofá. Acendeu um cigarro e notou que estava muito calor e precisava de uma cerveja. Foi até a cozinha e ao abrir a geladeira lembrou que tinha tomado todas elas na noite anterior.
Lembrou também que precisava avisar alguém na empresa que não pôde trabalhar por que estava preso, mas lembrou que nunca mais voltaria para aquele escritório medíocre então achou melhor deixar pra lá. Na volta da cozinha viu o coquetel de Quaresma na escrivaninha ao lado do sofá e decidiu que se precisava ver Bárbara uma última vez então que fosse rápido. Fez da mão uma concha e despejou tudo que havia para se drogar. Virou de uma vez e sentiu todos os comprimidos rasgarem a garganta. Encheu um copo de whisky e virou a dose de primeira. Mais outra. Tudo de uma vez. Voltou a encher o copo. Antes de sentar-se ao sofá ligou na rádio de Rock e deparou-se com Sultans of Swing um pouco antes do solo e fechou os olhos esperando o ápice da canção.
Continuou fumando e bebendo e cada vez que acabava o cigarro ele acendia outro. E cada vez que acabava o líquido em seu copo ele enchia outro.

Na rádio tocara várias músicas sem intervalos e Carlos ia ficando cada vez mais sonolento e nada de Bárbara. O coquetel já estava fazendo efeito e ele via vultos de Bárbara para lá e para cá, contudo, ela ainda não tinha aparecido. Os vultos eram lembranças dos momentos que passou com a garota que ele tanto gostava. Lembrava-se de suas falas e dos seus carinhos. Ele olhava para porta e agora havia duas portas, assim como dois copos, dois maços de cigarros. Bem como o teto que girava. E nada de Bárbara. Ele havia escondido a faca de carne na calça, mas já a tinha tirado e repousado-a na escrivaninha. Bárbara não viria e ele já estava tão bêbado quanto seu organismo permitia e ela não dava sinal de vida.
Estava cochilando e acordando em solavancos. Tudo isso para esperar sua garota, quando sentiu uma presença atrás dele. Na rádio tocava Rolling Stones. Como ele não percebera antes. Sempre que tocava a banda, a música que fosse, sempre acontecia algo. E ele lembrou-se assim que ouviu o primeiro acorde. Gimme Shelter. Sentiu seu perfume em suas narinas. Bem como sentiu seu cabelo sendo puxado para trás. Estava muito drogado para reagir. Sorriu. Riu como se tivessem lhe contado uma piada. Gargalhou para ser mais claro. Houve tempo de ver a mão feminina pegar a faca de carne na escrivaninha ao seu lado. O sussurrar no ouvido direito.

- Eu criei você e não o contrário. Agora eu estou desfazendo meu erro. Adeus. Adeus, neguinho.

Graças à faca de carne Carlos sentiu sua garganta rasgar e jorrar até a última gota de sangue. Talvez pelo uso das drogas não sentiu dor e apreciou cada momento. A visão se apagando. Como um cochilo. Mas sem solavancos desta vez. Dormiu. E Keith continuou com sua guitarra.



Bento.

-